Uma poesia em apelo a crise mundial – Às vezes quisera…



  

Às vezes quisera
que não me doessem as coisas
que existem e que eu não posso evitar
às vezes quisera não ver
as trapaças, a corrupção, a violência
esta ganância desenfreada por dinheiro e poder

Às vezes quisera ser
um extra-terrestre
para não ser cúmplice
desta humanidade
porém sou ajuizada, astuta, um tanque

Às vezes quisera ser
um soldado que no tanque vai
frente a mentira, frente a verdade

Às vezes quisera ser
a mãe que presenteia seu filho
ser a outra que o cria
sendo saqueada por mercenários
lamentando seu dinheiro
que sempre vale cada vez menos
mas é a última defesa
da sua integridade





Às vezes quisera ser
o político que sabe que mente
ter esta a hipocrisia escancarada em seu rosto
diante da pobreza do cidadão
que paga o seu gordo ordenado

Às vezes quisera ser
o jornalista que mais se diverte
ser o presidente que adianta o fim
vendo a crise mundial desenfreada
acabando aos poucos com o emprego
do povo sofrido, que ainda acredita
que luta por dias melhores

Sou a impotência, a angústia, o nada
Sou o olhar que enxerga mas não aguenta ver
Às vezes quisera não ver
que não me doesse ver a realidade
só me resta rezar
o que vou fazer…

(Cristiane Souza Gomes)



3 comentários em “Uma poesia em apelo a crise mundial – Às vezes quisera…

Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *