J.K. Rowling, a autora da famosa série de fantasia Harry Potter, acaba de surpreender o mundo mais uma vez. Ela, que havia recentemente publicado o romance adulto ''Morte Súbita'', agora foi desmascarada como a escritora de um aclamado livro de cunho policial,  The Cuckoo’s Calling.

Essa obra foi lançada em Abril de 2013 sob o  pseudônimo de Robert Galbraith e, o que fez a autora ser desmacarada foi, sem dúvida, o estilo da escrita, o fato do editor ser o mesmo da saga Harry Potter., além do livro ter o mesmo selo editoral do romance Morte súbita.

J.K revelou que a escolha de publicar um livro com outro nome deve-se a sensação de liberadde de escrever que essa nova experiência possibilita.  Um detalhe interessante é que os críticos ficaram encantados com  a forma, o jeito que o escritor do livro policial descrevia, entre outras coisas, as roupas femininas das personagens.

A escritora afirmou que David Shelley, seu editor, foi um grande amigo de ''crime'' para a criação dessa obra literária. Não sabemos quando o livro chegará ao Brasil, porém a escritora está escrevendo outra história com o pseudô de Robert Galbraith.

Por Madson Lima de Oliveira


Há livros que nos proporcionam conhecimentos e outros que ainda nos ajudam a “viajar” mentalmente como, Jeff em Veneza, Morte em Varanasi do escritor britânico Geoff Dyer, com uma história que começa em Londres, passa por Veneza e nos leva até Varanasi na Índia.

Jeff é um jornalista freelancer frustrado com seu trabalho e sua vida que é enviado à Veneza para cobrir os acontecimentos da Bienal para uma revista de arte.

O leitor é então transportado para a famosa cidade italiana, presente no imaginário de todos nós, com seus prédios históricos, festas e seu famoso romantismo. Em Veneza, Jeff vive hedonística e intensamente os acontecimentos oferecidos pela cidade.

Na segunda parte do livro, Jeff recebe um convite para viajar a Índia, onde descobre outra realidade. Na cidade indiana de Varanasi não há festas, sexo ou bebidas e drogas. Lá, Jeff tem um encontro consigo mesmo e descobre a espiritualidade e o misticismo do lugar, se despe de todas as vaidades e alcança o nirvana, algo nunca pensado ou mesmo experimentado por ele.

Por Cintia Santoro


O livros de não-ficção tiveram os autores brasileiros encabeçando. De acordo com a Infoglobo os mais vendidos entre 28 de maio e 8 de junho foram:

  • Múltipla escolha – Lya Luft;
  • Comer, rezar, amar – Elizabeth Gilbert;
  • Guia politicamente incorreto da história do Brasil – Leandro Narloch;
  • Mentes Perigosas – Ana Beatriz B. Silva;
  • De malas prontas – Danuza Leão;
  • Mil dias em Veneza – Marlena de Blasi;
  • Bussunda / Uma vida do casseta – Guilherme Fiuza;
  • As vidas de Chico Xavier – Marcel Souto Maior;
  • A arte da guerra – Sun Tzu;
  • Criação Imperfeita – Marcelo Gleiser

Já nos livros de autoajuda, Ana Maria Braga ficou com o terceiro lugar, com o livro A Espera dos Filhos da Luz. Na categoria infanto-juvenil, Mauricio de Souza levou o quarto lugar com Turma da Mônica Jovem 22.

Por Janaina Rico


Célestin Monga, escritor da República dos Camarões e um dos maiores pensadores africanos da atualidade, estará no Brasil entre os dias 22 e 26 de setembro.

O autor do livro “Niilismo e Negritude” (Ed. Martins Martins Fontes, com tradução de Estela dos Santos Abreu) participará da Tarrafa Literária, evento cultural a ser realizado no centro histórico da cidade de Santos, SP.

O texto trata da forma de viver através da maneira africana de enxergar o mundo, incluindo religião, violência e música. A África atual é tratada sem exotismos.

“Um Banto em Washington”, outro livro de Monga, deve ser publicado no Brasil em 2010, pela editora Martins Martins Fontes.

Por Janaina Rico





CONTINUE NAVEGANDO: